Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Fale conosco via Whatsapp: +55 16 996107999

Queda de meteorito é fenômeno raro, diz professor da USP de São Carlos: ‘Merece ser pesquisado’

O meteorito que cruzou os céus do Brasil, na noite de sexta-feira (14) e foi visto em cidades dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Goiás e do Distrito Federal é um fenômeno raro e merece ser pesquisado, segundo o professor Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC/USP), Euclydes Marega Junior, coordenador do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica.

“Esses materiais dão muita informação para nós de como nosso sistema solar foi formado e também, de como é a composição de outros planetas. Isso é uma coisa que deve ser pesquisada, se for possível achar o lugar exato dessa colisão, que deve ser aqui nas proximidades, entre São Paulo e Minas Gerais, isso é uma coisa muito interessante e vai servir muito para a pesquisa científica”, afirmou.

O professor ressalta que o fenômeno é raro e diferente dos clarões que comumente se vêem no céu, conhecidos como estrelas cadentes.

“Esse é um evento raro de se observar. É mais frequente nós observarmos estrelas cadentes, que são chamados meteoros. Esses corpos reentram na atmosfera terrestre e se vaporizam totalmente. Já os meteoritos, como esse que nós observamos, ele deve ter colidido com a superfície da terra e isso é um evento relativamente raro e interessante porque esse corpo, que é basicamente composto por ferro e níquel, ele traz muitas informações do lugar do sistema solar que ele é proveniente”, afirmou.

O professor Merega Junior explicou que como o tamanho do meteorito é maior do que o do meteoro ele entra na atmosfera a uma altíssima velocidade e produz luz devido ao calor dessa entrada. Uma parte dele é vaporizada e a outra chega na superfície terrestre.

“O meteorito mais famoso que a gente tem registro na Terra, foi aquele que colidiu no México, que fez com que, praticamente, uma grande parte da vida, há 80 milhões de anos fosse extinta. Esse era um meteorito de tamanho descomunal, maior que 10 quilômetros de diâmetro. Esse que nós vimos hoje é um meteorito pequeno”, afirmou.

Segundo o professor, outros meteoritos podem entrar na atmosfera da Terra. ” Porém, hoje nós temos tecnologia de estar monitorando, principalmente esses meteoritos de grande tamanho, para que nós possamos ficar tranquilos quanto à essa colisão”, ressalta.

Fonte G1 São Carlos

Deixe seu comentário:

Equipe

Facebook

Parceiros